Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

ecos

ecos

José Máximo —————— Sonhos Quebrados Poesia/Prosa —————————————————- Frenesim Composto Dignificar consequências iguais aos sonhos quebrados. Repor em direitos nossos anseios. Libertar angústias e segurar a razão em harmonia, no horizonte de plenitudes. Fugaz, mas com precisão adequada. Favaios, 24/12/2018 —————————————————————— Liberdade (Editora Chiado) Somos magia, em encontro igual com a liberdade! Somos liberdade nas palavras que pairam em horizontes celestes. Viagens lutadoras, com árduas batalhas, onde a liberdade é digna de vencer! Seguir os trilhos, que a magia da liberdade nos oferece. Favaios, 20/03/2021 ——————————————————————- Quarentena 2 Hoje é Tarde. O Mundo gira, e de que forma. Os acontecimentos mediáticos são de extrema ferocidade que inundam as sociedades e satisfazem as ansiedades de cada ser. Cada metade é demais, mas dividir é também pouco para cada um. Simples equação que cada um faz nos dias de hoje. Vivemos numa extrema e imensa dimensão de ter para ser! Ser. Para quê existir? E Será que hoje já é tarde demais? Acreditar nas gerações vindouras? Nas gerações precedentes e nas presentes? Na dúvida, nem muitos de nós acreditamos em nós mesmos. Recheios de coragem e síndroma de saudade, que parece não saber ignorar, as falências que a batalha pode apresentar. Os iscos das baratas ideias, dos burburinhos matreiros e das políticas esguias de interesses. É tarde hoje, mas no futuro presente fica, um gesto de que há sempre esperança, no amanhã de hoje. ——————————————————————- Micro Narrativa 1 Levantou-se de manhã, lavou a cara e fez promessas de bom dia. Segurou a chávena do café com firmeza e na certeza que o dia irá ter bons encontros. No entanto, mergulha na rotina e na ilusão que os sonhos são para realizar, encontra certezas no final do dia. —————————————————————- CRÓNICA D' INCONSCIENTE 1 Descontentes “Á”s’gentes! Casos! Raros! (Há gente Descontente! Em vez de Descontentes “Á”s’gentes!) Casos! Raros! Olhai, Olhai! E Tic, Tac! Mobilizar em X as nossas vozes e os nossos sonhos! Vazios, que mergulham, da Lusitânia intemporal! Ecos de justiça e respeito da existência, com memórias. Favaios, 29-09-2017 —————————————————————— CRÓNICA D' INCONSCIENTE 2 Outónós Vinhós, prós e tralós. Magias de suores que em terras do douro se elevam. Sonhos permanentes em horizontes malhados. Esvoaçam os símbolos de auroras celestes, nas encostas dos olhares perfumados de sonhos. Alvoradas simples, mas completas de ilusões, onde rebentam as ideias que o mágico outónó vai de viagem, na promessa de regresso. Favaios, 23-09-2017 —————————————————————— 169cei+17 Enrolar palavras com ideias trapalhonas, em relatos sem situações ímpares. Seguir caminhos em silêncios celestes e domínios de razões sem paralelo. Ficar na emboscada do ritmo tonto. Esperar que impere a sinceridade e se erga o acordo. Dividir em símbolos as travessias, em cuidados exigidos. Repor a energia na linguagem matreira, fugaz e gritante. ——————————————————————- QourouQ Fantasia repleta de sentidos, circunstanciais! Fusco sorriso. Alertas de retóricas essenciais. Viagem que imortaliza recordação. —————————————————————- Micro Narrativa 2- sms- (Editora Chiado) " teimosias teimosas onde a ilusão da teimosia esbate em retóricas tremendas de ilusões, teimosamente." ————————————————————— Feroz Caminhada Com diferente risco. Igual no depois do horizonte. Metades do Douro, encostas do verbo. Significado Mútuo em dar Ilusão, sem Paixão. Olhar Fixo, Maresias de sonhos. Mestrias em Segredos. Sorrisos nos lábios, olhos em Telepatia. Iguais Sentidos, Emoções em riscos. Caminho. ——————————————————————- DOiOD Vistoso rio, encostas de sonhos! Magia nos sorrisos! Teimosia de existir! ——————————————————————— HaxaH Num dia, numa noite! Tão distante e tão perto. Pensamentos celestes na imposição magnética. Ficarás em jeito de mistério e ilusão. ———————————————————————— YBY Doce silêncio, emergir dos impulsos que compõem a silhueta. Vitórias constantes que fixam etapas, onde as barreiras ultrapassaram os medos. ————————————————————— É aqui Lá! É aqui lá, porque começa num sopro. Magia de retorno e fluidez automatizada. Simples gesto, remado em segredos. Sinfonia de olhares cruzando horizontes cintilantes. É aqui e lá. Favaios, 06/01/2020 —————————————————————— Covid -19 Esperança que reserva no horizonte. Fustigar a proximidade e alertar hábitos. Medidas de compreensão, úteis e questões preventivas. Gestos mágicos de mera simplicidade. Atitudes severas que rodeiam as comunidades. Química de precisão, emboscadas periciais. Os trilhos da vida vigiam em cada um as considerações adversas. —————————————————————— XHéHX Hipóteses que reclamam situações! Emergir em bolhas de mentiras e divagar por entre muros apagados. ——————————————————————- sUiliUs Vivemos num prado de lamentações. Numa ordem desvalorizada, em segmentos de exceção. Discutir decisão com pedagogia, impune ao ideal da regra. Sentidos de orientação fechados à preocupação dos gritos surdos! ———————————————————————- Duas Palavras Fica nas nossas memórias o cruzar do olhar, e fixação de ilusões! Entre liberdade e pressão, surge o mistério! Fugir da culpa mútua e erguer elogios, a conselhos sem solução. Cair no erro e no amor. Liberdade. Duas palavras. Algum dia voltará. Esperar o retorno. Alijó, 04/02/2019 —————————————————— HuHiHuH Fisgada repentina Truques alheios Gesto fugaz Significado sem doutrina Olhares cheios Silêncio capaz ——————————————————- FrikirF Vindo d’ acolá Fintar recanto apagado Retomam vindouras Impor recado, falado Kacha, de ideias? Id’oxalá ———————————————————— Tum-Tum da Rima Frescura de vulcão! Vigência com fibra. Dignidade de razão. ———————————————————— Quarentena 1 (Edit. Chiado) Envolve com sentido a pressão. Grades que ilustram os horizontes Medos e anseios de ótica fusca. Ter limites de espaço e imensa magia no olhar. Vigiar os mergulhos sociais, na certeza de conquistar o amanhã. Ilustrar em gestos de gratidão, a quem está na frente de batalha. Seguir em frente. Homenagem. Respeito e significado pela vida. Nas cidades, vilas e aldeias, brotam gotas de esperança. Teoremas. Comparações na segurança e aproximação nas questões interpessoais. Repensar. Analisar. Ponderar. ——————————————————- Galope Magia é segredo no horizonte Silêncio no olhar em construção! Vigia nas palavras misteriosas. Encontros celestes e de exaustão! Vencer medos. Favaios, 09/04/2019 ———————————————————- Notre-Dame de Paris Espuma de dimensão universal. Vozes do silêncio, ecoam nas chamas da sua história. Mágoas inflamadas, com esperança no renascer! 15/04/2019 ————————————————————————— CRÓNICA D' INCONSCIENTE 3-FRiFRiFRiT Levar a lume determinadas questões, que as nossas sociedades levantam a questionar-se. Nos dias que correm, (sempre a fugir), há momentos em que cada indivíduo permanece em momentos perplexos e perante situações de raiva constantes, porque os seus hábitos esbarram com os seus modos de agir e de pensar. O mundo muda, mas nada mudou, tudo continua na mesma e quase nada evolui. Sim, o mundo é diferente de há 50 anos atrás. Sem dúvida, mas será que continua na desgraça de uns e na ganância de outros? Percorremos por vezes em muitas voltas e reviravoltas, para chegar sempre perante às mesmas situações, das mais modestas formas de erguer emoções pessoais, para depois, poder repercutir nos outros os mesmos sentimentos. Se és de boa educação, também a darás, senão, seja o que for, cada um como cada qual. Mas o direito humanístico permanece acima de tudo. Vamos cingir ideias renovadas de frescura. Favaios, 10/08/2017 ———————————————- Myty O sufoco da matéria celeste, em divisões sistemáticas, elevam os infortúnios das epopeias d’outrora. O mérito é medido consoante a aflição da situação. —————————————————- Faz Preciso de escrever. Para sentir o peso das palavras e levar, em atos, a exatidão dos momentos sonhados. —————————————————— Acreditar Fura. Fura. Encontrar na multidão sorrisos matreiros. Matreiros olhares. E silêncio magoado, onde os horizontes permanecem e esbarram para além das memórias. Liberdades que se encolhem e sentidos sem nexos, onde a magia tem o seu lugar. Lisboa, 01/01/2013 ——————————————————— Ouvir Fazer algo que corrói e fazer crescer o facto de atribuir o dogma da situação que arrecada situações e as liberta.————————————————— Ao domínio das alheias conversas que se evaporam. Vergonhas caseiras. Mente, que eu gosto. E gosto sem mentira. É fácil não gostar. ———————————————————— Liberdade Contínua Assim, na situação que deslumbra a questão do encantamento e divide o perfeito olhar. Em que permanece a consolação da fixação. Pelo destino da situação atribuída. O restolho em vigor pela imposição da lembrança e a capacidade da lamentação e divisão do saber sistemático das paixões. Lisboa, 01/01/2013 ——————————————————————— Deslizar nas palavras Crescer e impor por regras, sem parar e por mero acaso, das retóricas do recado da maresia dos silêncios e das conversas. Assim, o conselho atrai os domínios que fogem das matrizes do eixo análogo e situações significativas que resultam em diferentes situações de luta. Luta do ser, elevando o pensamento ao confronto (1) com o próprio ser, em comunhão com o seu ego. Lisboa, 01/01/2013 1) Eu evitaria a repetição da palavra luta, neste verso. ———————————————————————- Camões à Vista Domínios que ilustram consequências ilimitadas e gestos matreiros. Fugas do desconhecido ao preceito dos risos mágicos. Sintonias, em momentos ímpares e liberdade de não saber colher à vontade permitida. Justo e delírio pela admiração mútua. Lisboa,01/01/2013 ———————————————————————————— INDÍCE 1. Frenesim Composto 2. Liberdade (Editora Chiado) 3. Quarentena 2 4. Micro Narrativa 1 5. CRÓNICA D'INCONSCIENTE 1 6. CRÓNICA D'INCONSCIENTE 2 Outónós 7. 169cei+17 8. QourouQ 9. Micro Narrativa 2- sms- (editora chiado) 10. Feroz Caminhada 11. DOiOD 12. HaxaH 13. YBY 14. É aqui Lá! 15. Covid -19 16. XHéHX 17. sUiliUs 18. Duas Palavras 19. HuHiHuH 20. FrikirF 21. Quarentena 1 (Editora Chiado) 22. Galope 23. Notre Dame de Paris 24. CRÓNICA D'INCONSCIENTE 3 FRiFRiFRiT 25. Myty 26. Faz 27. Acreditar 28. Ouvir 29. Liberdade Contínua 30. Deslizar nas palavras 31. Camões á Vista ——————————————————————- José Máximo, nasceu em Favaios/Alijó. É licenciado em Teatro e Artes Performativas e Mestrado em Ensino de Teatro, pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Publicou os livros de poesia Caminho (2004), integrado no Programa de novos autores do Município de Alijó, (Caminho), Arco-Éris - Trilogia de xumux – cléo - aqui & acolá, 8008 é Assim, Tem de Ser. Em 1993, viu alguns poemas serem publicados na IV Antologia de Poesia Portuguesa, da Editora Minerva (Lisboa), como em antologias da editora Chiado. Sócio Fundador da Aldeia Vinhateira de Favaios – Associação Cultural, 2006 e ator/colaborador da Oficina de Teatro de Favaios (ofitefa). Atividade cultural na expressão dramática e artes plásticas/pintura/fotografia. Beneficiário da, SPA. Sociedade Portuguesa de Autores Nro- 1.16706.